quinta-feira, 6 de outubro de 2011

POEMADURO - Mailton Rangel


Sinopse do skoob:

Sinopse - Poemaduro - Mailton Rangel

O que nos espera nestas páginas é um formato eclético de poesia que não se ocupa meramente em perseguir estilos predefinidos ou regras acadêmicas. Ao contrário, considerando-se que não há como se escapar aqui de algum tipo de impacto, "esbarraremos" em um poeta livre e original, que conduz sua criação, a um só tempo, com a leve candura de um colibri, mas com o vigor e a autonomia de uma águia dos desertos.

Editora Scortecci
ISBN: 9788536607535

Ano: 2007

Páginas: 110


A linguagem de seu coração é que irá determinar a maneira correta de descobrir e manejar a sua espada.

(Paulo Freire)


Palavra de Allan Pitz:

Falar sobre poesia jamais será tarefa simples, não para quem observar na poesia apenas um jogo eloquente de palavras apuradas - que buscam avidamente lugar nenhum. Porém, quando se busca falar da poesia fluida que conduz palavras para o centro de algum motivo, em uma direção iluminada por sentimentos incandescentes, fervilhando dentro da mente brilhante do poeta, elucidada no peito (sem abandonar o racionalismo, evidentemente)... Aí sim: torna-se a coisa mais simples de todas falar sobre a poesia; que é aquela eterna ponte natural entre o homem e seus mais diversos sentimentos, observada na forma humana de palavras.

Rangel é daqueles poetas que não se limitam numa visão só, ele gosta de deixar falar a narrativa da vida, mostrando lirismo e profundidade até mesmo nas pequeninas coisas do cotidiano. Em POEMADURO, um livro inesquecível e na medida certa, as cenas poéticas passam diante dos olhos arremessando qualquer relógio para longe, permitindo ao leitor receber as mensagens todas em rara harmonia. Um bálsamo para a alma.


Poema:

Quando flui no comboio do tempo

Sem fabricação encomendada;

Brotando de dentro,

Como toda a migalha de amor que se possa dar

Cerzida em morfemas.


Duro,

Quando se nos bate na "cara",

Para desalienar,

E não só para afagar a alma.


Maduro,

Por abstrair do concreto e priorizar gente

Como alvo e expressão maior de amor e poesia...

Por não só falar de flores,

De orgasmos

Ou de baleias


Para os apreciadores do gênero, os Poemas de Mailton Rangel são obrigatórios.

Super recomendado!


Mailton Rangel

Poeta, compositor e artista plástico, nasceu no dia 07 de setembro de 1952, em Italva, interior do Estado do Rio de Janeiro, quando a cidade ainda era um precário distrito do Município de Campos dos Goitacazes.

Oriundo de família humilde, radicou-se na Baixada Fluminense desde os três anos de idade onde, durante as décadas de 70 e 80, mesmo extraindo seu sustento de subempregos, também se integrava a movimentos culturais e de formação de jovens. Sua primeira publicação foi o livro 'Pólen ao vento', de 1980, material jovem que retrata bem o singular momento político-social da época.

Contato: mailtonrangel@hotmail.com

4 comentários:

  1. Meu querido Allan Pitz;
    estou feliz e emocionado à beça,por deparar-me aqui com dois presentes lindos de uma só vez: o gesto nobre e a resenha encantadora, que, diante da minha modesta criação, só poderiam emanar de um amigo tão formidável quanto você.

    Um enorme abraço!

    ResponderExcluir
  2. Salve, salve, Mailton!
    Não agradeça, meu amigo. Seus poemas merecem destaque, principalmente com o material novo que está para sair.
    Será sempre uma grande satisfação divulgar seu trabalho aqui no Paquidermes!

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Pura verdade, Wasil. Eu falei para o Mailton escrever uns duzentos livros, sem se preocupar com editoras. Os Poemas dele vão além de qualquer aprovação. É um espetáculo mesmo!

    ResponderExcluir

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.