sábado, 20 de fevereiro de 2010

Amar vai muito além




Quem você ama? O Mundo?
Ama Deus? Ama os seus?
O que você ama?
O que é amor então...?
É satisfazer a gula do próprio estômago?
A gula da carne?
Seria carência?
...

Amar é chorar no deserto por um irmão morto na neve,
é sentir na nuca o balaço que destrói uma família,
é sentir a falta de Deus em cada Noticiário!
Noite e dia!

Amar a criação é lamentar vergonhoso pelo carvão comunista
e pelo Diesel capitalista,
por qualquer religião “santa” que divida,
e por todos os desertos novos.

Amar é rezar para que o bandido acorde morto,
e o causador, que antes o conduzira, se desintegre;
amar é rezar para que o sonho se regenere;
e pela Terra viva acima de tudo.

Amar é dividir três gotas de água para vinte!
É separar as migalhas de um para dois,
é multiplicar o bem por mil!

Amar é limpar os cofres
para salvar os corpos...
É abrir e juntar de uma só vez todos os portos,
é pensar em um, mas com milhões ao lado...

Amar é não apontar o sapato,
a marca do couro,
a gastura do solado;
amar é não caçoar do cabelo do espantalho,
é ver a beleza oculta no feio denominado.

Amar é querer bem ao ministro e ao cão,
à laranja e ao limão,
ao rato e ao gavião.
E por todos, amados, clamar salvação.

Amar é apreciar a flor sem tomá-la do chão,
é tentar mudar o X da questão,
é lamentar o tosco que sorri da emoção.

Amar é ignorar, e beijar até o sangue de quem se ama;
abraçar a brisa leve que te levanta da cama;
amar
o Universo,
a luz,
de quem te ama.


(Parte do livro a ser lançado "A Floresta Enigmática das Cerejas Mecânicas")

2 comentários:

  1. Amar?
    É olhar e enxergar a beleza,
    mesmo disfarçada de tristeza
    é sonhar,
    amar e sentir no ar a emoção
    é ser marido, mulher e irmão
    é aceitar
    as limitações das diversas conjugações
    deste verbo difícil de conjugar,
    (tento tanto que me falta o ar)
    verbo que esta em tudo,
    no louco, no oco, no mudo,
    verbo do concreto e do absurdo
    Gritados por todos, até pelo mudo
    contra ele não há escudo.

    verbo no infinitivo
    querendo apenas um motivo
    para eu poder conjugar
    minha vida com o o verbo amar...


    Ixe!!! Amigo Pitz, me inspirastes.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. muito bom.....
    deixa um gostinho na boca
    além de A Floresta Enigmática das Cerejas Mecanicas ser um ótimo titulo... nos leva a pensar e muito
    heheheh gosto disso...

    abçs e fique com os anjos sempre!!!

    ResponderExcluir

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.