terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Descubra por que suas metas de final de ano raras vezes se realizam - Por Jacob Pétry


Aprenda oito princípios que mudarão seu conceito sobre metas e objetivos e adote os hábitos das pessoas que atingem um desempenho extraordinário na vida


Uma das coisas mais fascinantes que aprendi na vida é estabelecer objetivos. Há uma magia em traçar metas e colocá-las no papel. Uma poderosa força psicológica, espiritual e emocional é ativada quando traçamos propósitos e agimos no sentido de realizá-los. As coisas passam a acontecer, a mudar. Com o tempo, problemas se resolvem, desejos e necessidades são satisfeitas. Não há nada no mundo como chegar aonde se quer chegar, alcançar aquilo que se busca, resolver um problema ou fazer algo que você sempre quis fazer. Objetivos criam interesse e entusiasmo pela vida, nossa energia aumenta, se multiplica. A seguir, ofereço oito princípios que lhe ajudarão a estabelecer suas metas de uma maneira eficaz e eficiente.

1.Crie um estado de gratidão

O primeiro passo é partir de um estado de gratidão. Isso significa fazer as pazes com a vida. Não resista diante de tudo que você não tem. Seja grato pelo que você tem. Temos o hábito de criar metas sobre nossas insatisfações. Insatisfação cria resistência. Não há como ser grato quando você está insatisfeito. Quando você está insatisfeito, acha que o mundo lhe deve alguma coisa. Gratidão é um estágio interior, um sentimento, um pensamento. O pensamento é uma coisa física e real, ele possui um impacto sobre como você se sente e como se comporta. Seu sentimento e seu comportamento geram suas ações, e suas ações, geram seus resultados. Crie uma atitude de satisfação e agradecimento mesmo por aquilo que não está como você quer. Aceite as coisas como elas são, sem julgá-las, e depois, trace metas para mudar o que você quer mudar.

2. Não confunda causa e efeito

Não crie metas como: “quero emagrecer 10 quilos!”. Quando você faz isso confunde causa e efeito. A causa sempre antecede o efeito. Emagrecer não é causa, é um efeito. Se você quer um efeito, estabeleça metas sobre a causa que lhe dará o efeito desejado. Se a intenção é emagrecer, estabeleça, como meta, a causa que trará esse efeito. Por exemplo: o que é preciso para emagrecer? Uma dieta e um programa de exercícios. Estabeleça como meta uma dieta balanceada e um programa de exercícios e se foque nisso. O emagrecimento virá como conseqüência.

3. Saiba a diferença entre objetivo, estratégia e tática

Suponha que seu sonho seja trocar de carro. O objetivo é a meta maior, mais ampla, ou seja: trocar de carro. Ora, trocar de carro é fácil, se você tiver dinheiro não precisa nem estabelecer a meta, basta fazê-lo. Se você estabelece a troca de carro como meta é porque, nesse momento, há um obstáculo a ser superado; a falta de dinheiro. Portanto, para realizar seu propósito, você precisa criar uma estratégia para conseguir mais dinheiro. Estratégia é o plano para realizar nosso objetivo, ou seja: como conseguir o dinheiro necessário para comprar o carro. Tática são os pequenos passos que compõem a estratégia e que, na verdade, nos levam ao objetivo.

4. Evite excessos

Não inicie quinze novos projetos no dia 1 de janeiro. Nem Deus, que é Deus, criou o mundo em um único dia. Seja tolerante com você mesmo. É muito melhor assumir compromissos pequenos, mas cumpri-los, do que estabelecer objetivos enormes e fracassar. Em questões que envolvem hábitos, a consistência sempre é mais eficaz que a intensidade. Não importa o tamanho da árvore, se você der uma machadada cada dia, algum dia ela irá cair. Não tente fazer num dia tudo o que você não fez em cinco anos. Metas são coisas que queremos hoje, ao longo dessa semana, ao longo desse ano, ao longo de cinco anos e ao longo da vida.

5. Não confunda tempo cronológico com tempo psicológico

Estabeleceu uma meta para ser atingida no dia 30 de julho? Não sofra por antecipação. Não passe o tempo inteiro se perguntando se vai atingi-la ou não. Isso cria angustia e stress que irá comprometer seu desempenho. Estabeleça um objetivo e desenvolva um programa envolvendo estratégias e táticas. Foque-se nas táticas, dê o melhor de si a cada dia sem se importar tanto com datas. De tempo em tempo, faça avaliações para ver se está no caminho certo e, se necessário, faça ajustes. Mas curta a jornada. Não tente controlas as metas, as coisas acontecem quando for o tempo certo, quando estivermos prontos.

6. Tire proveito do efeito acumulativo

Assim como o sucesso, o fracasso é acumulativo. Por isso, crie um clima de vitória, de sucesso. Estabeleça pequenas metas e comemore sua realização. Diz a Bíblia que Deus, no princípio, criou o céu e a terra e que, a terra era vazia e sem forma; que trevas cobriam a face do abismo. E que Deus, então, disse: haja luz, e assim criou a luz e viu que a luz era boa, e separou a luz e as trevas, criando o dia e a noite. Depois, no outro dia, criou o firmamento e depois, separou a terra das águas. E, diz a Bíblia, que a essa altura, Deus viu que ficou bom. Ora, quase não havia nada, Deus ainda estava no começo, mas já se sentia satisfeito! Ele viu, que, o que havia feito até ali, era bom! Como Deus, talvez, você tenha que olhar para tudo que fez até aqui e dizer: ficou bom! E a partir daí, se motivar para fazer os ajustes. Sinta-se satisfeito sempre, até mesmo por tentar e não conseguir, e, tentar outra vez. Nunca permita assumir um sentido de derrota. Veja sempre o lado bom, e tente outra vez.

7. Evite o erro da racionalização

Não crie argumentos para justificar o não cumprimento das suas metas. Se você estabeleceu um programa de exercícios físicos e, em determinado dia, teve que suar muito para limpar a garagem, não use esse esforço extra como argumento para comer uma caixa de bombons, beber meia dúzia de cerveja ou não ir a academia. Seja honesto com você. Sem desculpas, sem truques, sem mágica. Um pequeno esforço extra o fará sentir orgulhoso e íntegro, se mesmo assim, cumprir suas metas. As desculpas nunca se justificam, pelo contrário, nos dão um sentido de fracasso e frustração. Mantenha-se, acima de tudo,o tempo todo, fiel ao compromisso assumido com você mesmo.

8. Saiba que você é o responsável

Você é o responsável por tudo que acontece na sua vida. Você é responsável pelos resultados que produz, pela qualidade das suas relações, sua saúde, seu estado físico, sua renda, suas dívidas, seus sentimentos, enfim, por tudo. Sei que aceitar isso não é fácil. Se fosse, você já teria mudado o que não está bom. Porque, assumir a responsabilidade é, também, assumir a culpa e, ao mesmo tempo, o controle. Se você não é responsável, não tem controle e, por isso, não muda. Somos condicionados a culpar fatores externos e nos isentar da responsabilidade. Por isso reclamamos, culpamos, julgamos e vivemos insatisfeitos e frustrados. Mas se você admite que você é responsável pelos seus resultados, está livre para mudar as circunstâncias atuais e construir a sua vida do jeito que quiser.



Sobre o autor:
Jacob Pétry é jornalista, consultor, conferencista e escritor brasileiro radicado nos Estados Unidos. É autor de 5 livros. Em 2010 lançou pela editora Lua de papel, o livro O óbvio que ignoramos, um sucesso de venda e de público. Saiba mais clicando aqui:


www.jacobpetry.com
www.oobvioqueignoramos.com

0 comentários:

Postar um comentário

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.