sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Entrevista com Allan Pitz

Entrevista recente para o Blog Doce Encanto. Em breve terei assessoria especializada para organizar melhor o meu material. Colocaremos tudo aqui no Paquidermes!


Allan Pitz, escritor multifacetado (metido a escrever vários gêneros) e diretor teatral carioca. Autor de cinco livros publicados nos últimos dois anos; selecionado em mais de 35 Antologias e Prêmios Culturais.


Allan, o que fez você querer ser escritor?
Ah, sem dúvida alguma foi para montar o meu próprio show cerebral! As histórias já escapuliam dos palcos, já escapuliam da boca, era necessário escrever. Sinto uma necessidade maior de escrever. Existem milhões de ‘dimensões’ entre o real e o louco para serem narradas. Milhões de reflexões para serem exploradas.

Desde quando você escreve?
Escrevo desde sempre, mas querendo ser lido por vocês: há cinco anos. É preciso merecer isso.

O seu livro A morte do cozinheiro, é pura doidera!! Nele você evidencia toda a loucura que o ser humano é capaz de atingir quando tem seu emocional abalado. O livro teve uma ótima repercussão, da onde surgiu toda essa maluquice da história?
Pois é, e acabou superando as minhas expectativas! Talvez, o meu emocional estivesse suficientemente abalado para escrever A Morte do Cozinheiro; mas não como no livro.
Porém, foram pensamentos tão amargos e insólitos que me renderam esta brincadeira maluca de amor doente. O ser humano pode enlouquecer por “amor”, a imprensa policial é a maior testemunha. A Morte do Cozinheiro reflete o amor virando psicose, e se desenvolve por dentro (na turbulência) do futuro assassino passional.

Você é um grande escritor, tem vários livros publicados e um de seus últimos trabalhos - Um peixe de calça jeans - já está entre o mais vendidos da Editora Livro Novo.
Foi muito difícil chegar onde está? Você esperava por isso?
Bem, te agradeço imensamente pelo grande escritor, mas meu caminho ainda é longo para conseguir ser um dos grandes... Cada livro lançado é uma conquista, uma aventura para publicar e vender. Tudo é incerto para o novo escritor brasileiro. Uma luta constante...
O peixinho jeans é simples, é um antídoto contra a violência em forma de palavras, e muitos pais resolveram arriscar no livro para seus filhos. Eu não esperava, sinceramente, mas o leitor está sendo muito generoso comigo. Estamos nos aproximando cada vez mais.

Falando em Um Peixe de Calças Jeans... o livro trata de um tema muito atual e bem sério que é o bullying escolar. Foi complicado escrever o livro? Você teve que fazer muita pesquisa a respeito do assunto antes de escrevê-lo?
Foram muitas pesquisas para escrever o peixinho. Queria um projeto que conseguisse efeitos mais rápidos no combate ao bullying, e na faixa etária onde tudo começa: entre cinco e nove anos.
Utilizei-me de estudos sobre a teoria subconsciente de Dr. Joseph Murphy, do movimento Satyagraha de Gandhi, da minha própria experiência com o bullying escolar sofrido na infância. Foi um processo difícil, mas prazeroso. O objetivo é nobre.

Dentre seus trabalhos, você tem algum preferido?
Gosto muito do Estação Jugular – Uma Estrada para Van Gogh, ver sua publicação nos próximos meses será uma vitória!
Acredito que os leitores de hoje querem embarcar numa viagem sem precedentes; essa é a proposta do meu livro. Vamos embarcar!

Quais são suas inspirações para escrever?
A vida dos outros, a minha vida, a rua... Os jornais, os pensamentos da madrugada, os livros, os textos que leio... Sonhos, pesadelos... Gosto de captar as energias que flutuam sobre nossas cabeças.

Você tem algum autor ou livro preferido?
Gosto de tudo do Bukowski, do Henry Miller, Dalton Trevisan, Carlos Drummond, Nelson Rodrigues, Plinio Marcos... São os autores que mais li até hoje.

Qual seu maior sonho?? (essa foi profunda! hahaha)
Humm... O que poderia ser... Viver de livros (acredite: essa também foi profunda, até os editores mandam você ter outra profissão paralela)!

Para quem está começando a jornada de escritor, quais são suas dicas?
Aqui vai: Meu amigo (a), você está realmente disposto a sentar numa cadeira e doar boa parte de seu tempo de vida (lendo e escrevendo)? Então, ok. Mas vá com calma, se você não tem capital de investimento vá com mais calma ainda. Tente não se cobrar demais, não espere que todo livro novo vire um sucesso imediato; siga escrevendo. E trate os editores sempre com muito respeito, espere o momento de agir sem ansiedade (não revele coisas como: estou preocupado, ansioso), tenha cuidado com as palavras... No mais: escreva, escreva, e escreva mais um pouco. Depois leia em dobro. Revise, corrija. Nunca envie um original para as editoras sem uma revisão profissional. Participe de Prêmios e Antologias. Não desista nem perca a fé; o nosso país precisa do seu sonho para poder sonhar.

Boa sorte!

Como as pessoas podem adquirir seus livros?
A Fuga das Amebas Selvagens (contos, piadas, cenas para teatro) e Um Peixe de Calças Jeans (infantil anti-bullying) são vendidos no site da Editora Livro Novo, que dispõe também dos formatos e-book.

Duas Doses e um Bungee Jump (poemas) é vendido no site da Editora WAF – World Art Friends – Portugal. Apesar dos valores em Euro, a versão e-book é bem acessível.

Visões Comuns de um Porco Esquartejado precisa de uma nova edição para ser comercializado, e A Morte do Cozinheiro também esgotou, podendo ser encontrado somente em algumas livrarias do Sudeste, no site Estante Virtual, e no site da Tarja Livros.


Bom Allan, é isso. Tem alguma mensagem que quer deixar aos seus leitores e aos do Doce Encanto?
Leiam, meus amigos! No blog, no site, na revista, nos livros, no jornal; leiam e leiam mais! Esse é o melhor remédio para a expansão da mente. E não se esqueçam de garimpar os novos livros nacionais!


Rapidinhas:
Um autor: Bukowski (estrangeiro) e Carlos Drummond (nacional)
Um livro: O Capitão saiu para o almoço e os Marinheiros tomaram conta do navio (Bukowski) e Contos de Aprendiz (Carlos Drummond)
Um momento: O agora
Uma música: Muitas dos anos 80!
Uma pessoa: Mahatma Gandhi
Uma frase: “Essas palavras que escrevo me protegem da completa loucura.” - Charles Bukowski.
Um desejo: Em um momento tipicamente Miss Universo, poderia citar A Paz Mundial!


DOCEENCANTO.BLOGSPOT.COM

10 comentários:

  1. Parabéns pela entrevista Allan! Você merece! Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Vanessa! Estou tentando merecer algo... Vida literária é jogo duro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Bacana a intrevista, a mensagem final é boa: "leiam". Mas não somente isto, pensem, reflitam sobre o que leram. ;D

    ResponderExcluir
  4. Maravilha, Zegur!

    É isso aí, ler e refletir sobre a leitura, criar seu ponto de vista pessoal. Debater a questão internamente.

    Muito obrigado por comentar!

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre comento, acho importante... assim como gosto de ler os comentários alheios, saber o que os outros estão pensando, é importante pra mim compartilhar meu pensamento também com quem deseja sabê-lo. Abraços!

    O blog está muito manero!

    ResponderExcluir
  6. Felipe @impurificavel6 de abril de 2011 16:45

    Palmas e mais palmas!!!
    Grande abraço do seu amigo aqui!

    ResponderExcluir
  7. Fala Allan, o tempo passa, a infância distância e as amizades vão junto. Estive conversando com o Petrus sobre nossa infância e ele tinha me dito sobre o nosso amigo que virará escritor. Quero ser leitor dos seus livros me manda e-mail: ximenesand@yahoo.com.br Lembro do nosso goleiro dos paraplegicos rsrs.
    Anderson Ximenes

    ResponderExcluir
  8. Meus amigos, muito obrigado pelos comentários!!

    Grande Anderson, o e-mail está anotado aqui. Agora anote o meu: apitz100@yahoo.com
    Não vamos perder contato não, vai que eu resolvo sair dessa cadeira e jogar um futebol com a turma dia desses, agora ninguém me perde mais de vista.

    Abraços em todos.

    ResponderExcluir

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.