sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Bailarinos de CO2




Sorria, rapaz! Sorria! És tão jovem,
tão disposto,
és corado,
tão talentoso,
esqueça o que te afeta o juízo!
Sorria!

Erga-te firme sobre o pescoço
a cintilar seu topete formoso
aos tóxicos bailarinos de CO2!

Renasça tenro, aproveite,
pense como o velho,
no deleite,
que já teve muito da carne,
mas não terá nada depois.

Sorria da coisa mais boba,
sorria da caça à raposa,
sorria da explosão lunar!

Sorria do bom e mau filho,
sorria do fio empecilho
que te força sorrindo a escorregar.

Sorria da corja assassina,
sorria de dor na neblina,
sorria da bala vespertina,
sorria do Coronel Pó de Ervas!

Sorria enquanto é só um jovem!
Aproveite, enquanto é só um jovem...!

E depois, já cansado,
fadigado, entediado,
diga que gostaria muitíssimo de ajudar a humanidade,
mas a velhice, infeliz,
lhe furtou as pernas.


(Do livro A Floresta Enigmática das Cerejas Mecânicas)

2 comentários:

  1. Oii, passei por aqui e Curti o blog, to seguindo ^^
    eei, achei Muito lindo o Poema, e concordo plenamente com cada palavra, Temos que sorrir até da coisa mais 'boba', e sermor Felizes, pois um dia tudo acaba neh *-*
    Bjnhoos:**

    ResponderExcluir
  2. Oi Laari!

    Que bom que está curtindo o Paquidermes, fico feliz! Esse poema é um dos que eu gosto mais. Apesar de ele ser uma via de inúmeras compreensões, deixa a mensagem da importância do bom caminho percorrido, a jornada da vida, e sua utilização.

    Obrigado por comentar!

    ResponderExcluir

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.