quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Projeto EFEB – Editora Federal Brasileira



Seria um sonho?

Já que estamos em época de eleições, vale a pena tentar transmitir alguma ideia para a próxima safra de governantes que vem por aí. Andei pensando muito num projeto para ajudar os escritores, algo que o governo possa interferir e lucrar, simples de executar, e com resultado eficiente para ambas as partes. Surgiu a EFEB - Editora Federal Brasileira.

Lei Machado de Assis de Incentivo e Disseminação da Literatura Brasileira. Projeto EFEB.

1- A EFEB é uma editora governamental controlada diretamente pelo Ministério da Cultura e suas ramificações. Caberá à EFEB a publicação exclusiva de autores nacionais, para comercialização em livrarias conveniadas, fornecimento às bibliotecas públicas, e criação contínua de materiais didáticos próprios para as escolas.

2 – Deverá a EFEB facilitar a publicação de qualquer escritor brasileiro, tendo como fator irrelevante o seu poder aquisitivo. O livro será recebido para análise por carta ou e-mail, sem nenhuma grande exigência burocrática. Se consistir valor, o livro será publicado em prazo máximo de dois meses.

3 – A EFEB acredita que o escritor de talento pode estar em qualquer lugar de um país continental como o nosso. Todas as ações da Editora devem proporcionar a plena igualdade. O valor do escritor estará exclusivamente no valor de seus escritos e pensares.

4 – A EFEB deverá ter sua equipe formada por profissionais qualificados, selecionados através de concursos públicos e seleção competente.

5 – É intenção da EFEB assinar acordos e levar seus livros para outros países que tiverem contratos comerciais vigentes firmados com o Brasil, inclusive livros em edição bilíngue, para maior divulgação do idioma português no mundo.

6 – A formação de uma editora igualitária governamental impedirá qualquer formação de cartel, no presente e no futuro, e dará aos escritores, abastados ou não, a mesma possibilidade de construir sólida carreira e ajudar a pátria.

7- A EFEB firma contrato padrão, onde o autor recebe quinze por cento sobre os direitos de capa dos livros. O Autor poderá, ainda, ser escritor exclusivo da EFEB, recebendo direitos de imagem em propagandas internas e externas.

8 – O dinheiro arrecadado pela EFEB deverá servir para melhoramentos internos, investimentos na área literária, e demais interesses de expansão da EFEB.

9 – Deverão as grandes livrarias, reservar um espaço destacado para os livros nacionais (da EFEB ou não), sendo esse espaço correspondente a quarenta por cento da vitrine principal, e trinta e cinco por cento (mínimo) de seus títulos disponíveis na prateleira.

10 – As livrarias que entrarem em acordo com a EFEB em sua proposta, receberão alguns abatimentos importantes no valor dos impostos básicos.

11 - A EFEB é administrada pelo governo federal, o que não impedirá as parcerias com as secretarias estaduais para lojas e bibliotecas EFEB (priorizando as áreas consideradas de risco, resgatando e integrando, oferecendo cursos e oficinas culturais).

12 – A EFEB estará sempre aberta à expansão, contudo, nada deve interferir no núcleo fundamental de sua criação, que é publicar de forma igualitária e justa o que tiver de melhor na literatura de nosso país.



Gostou da revolução? Repasse a ideia.

4 comentários:

  1. Simplesmente uma ideia incrível *-* E o mais legal é que é viável. Muito possível de ser feita. Cadê os candidatos para olhar essa ideia nesse momento?
    Muitos escritores brasileiros passam por grandes dificuldades para conseguirem publicar seus trabalhos. E eu tenho visto muitos que optaram pela publicação independente, que infelizmente, não é possível para a maioria.
    Essa é uma ideia que tem tudo para dar certo. E deveria - nós precisamos que nossos escritores tenham um canal aberto para publicação de seus livros.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nanie,
    Obrigado por comentar!

    Pois é, seria um canal de facilidade mesmo, Pátria amiga, e um filtro de qualidade antes de o autor cair injustamente na auto publicação! Ou, sem dinheiro, na gaveta. Além de ser um bom negócio para o governo explorar.

    A maioria dos políticos é meio sacana... Nesse pano de fundo a EFEB acaba como um sonho bom.
    Ou não...?

    ResponderExcluir
  3. Oi Allan!

    A idéia é excelente e não seria difícil de colocar em prática. Os autores daqui tem tanta dificuldade para publicar e ainda por cima quando publica, o livro na livraria é mais caro que um importado, tem coisa que não dá para entender nesse país. Vou divulgar :)

    ResponderExcluir
  4. Oi Cláudia!

    Muito obrigado. Quando escrevi esse rascunho de projeto pensei em algo prático, e que resolvesse grande parte do "problema editorial" para os escritores nacionais. A França teve algo semelhante (menor) durante muitos anos, não sei se permanece até hoje. Poderia ajudar muita gente por aqui!

    ResponderExcluir

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.