quarta-feira, 4 de novembro de 2009

CERTAS COISAS DO VIVER


Viver é presente doido da vida,
É passaporte carimbado de ida,
É coisa divina que o céu nos dá!

Viver é filmar todo dia,
Contracenar com dor, com agonia,
Beijos e cantos de vasta alegria!
Odios; amores e desamores.

Viver é ser folha sem rumo,
Ou permanecer pequeno no galho;
Ser menos que gota de orvalho;
E bem mais que um simples temor.

Viver é saber de tudo,
Mesmo sabendo de nada;
É receber a informação correta
E observar atento à errada.
É ser platéia! Artista!
Calmo, impulsivo, altista...
Ou nada mais que detestável barata.

Viver é descer pelo ralo
E poder brotar em nascente de rio;
É fogueira que se rende ao frio!
É frio que não resiste à fogueira.

Viver é querer acertar fazendo besteira,
É desacostumar com a coisa costumeira,
É amar; sentindo que também odeia.

Viver é a dúvida;
A voz que se omite
E a voz que se canta!
A batida forte que dança!
O duelo que não se cansa...
Mas ás vezes... Também cansa.

Viver é o duplo sentido!
O longo caminho a ser percorrido;
E a eterna luta por sobreviver.
Isso é viver.

0 comentários:

Postar um comentário

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.