quarta-feira, 4 de novembro de 2009

CHÁ DE ARPOADOR


(Poema canção)

De repente cantando me vem
Uma história que eu queira contar
Na brisa que sopra no além
Do meu sonhar.

Placas com dizeres
E quereres
Não podem comprar
Panela velha, acento agudo, e computador.

Chás de repelente
Condizente com cada picar
De inseto agudo ou disco voador.

Gente, trepadeira,
Bagageiro que caiba levar
Todo o Arpoador.
Louco no poema
Rima em qualquer tema
Deixa fluir
Louca canção...
De repente cantando me vem
Algo bom que não possa acabar...
De repente o sonho faça além
Do que sonhar...

0 comentários:

Postar um comentário

Este blog surgiu após inúmeras recomendações, broncas, cascudos e beliscões de conhecidos. Aqui está, enfim, um espaço próprio para o escritor Allan Pitz publicar suas "Patavinices", seus textos, seus livros, e tudo o mais que o tempo for lhe guiando e desenvolvendo.

Obrigado pelo incentivo de todos.